Somos Escola

Somos Escola

Apoiar o desenvolvimento acadêmico, científico e tecnológico faz parte da nossa essência, impulsionamos transformações positivas por meio de milhares de estudantes, professores, pesquisadores, colaboradores, cientistas e sociedade. Com atendimento, suporte personalizado, estrutura única e pioneira no país, a Fundação Arthur Arthur Bernardes, por meio de suas três Unidades de Negócios (Unidade de Projetos, Supermercado Escola e Laticínio Escola), permite que a ciência e o desenvolvimento do país aconteça expandindo horizontes e formando além de profissionais brilhantes, pessoas que terão um olhar sensível para a sociedade. 

 

Ser Funarbe é ser Escola!

0
alunos atendidos anualmente
0
estagiários anualmente
0
trabalhos acadêmicos anualmente
0
disciplinas ministradas

Aqui você encontra os procedimentos para contratação de estagiários na Funarbe:

  • Após preencher o formulário de solicitação de estágio deverá encaminhá-lo como arquivo anexo para o email do gestor do convênio.
  • A Funarbe verificará os dados que constam no pedido e, estando corretos, encaminhará o Termo de Compromisso de Estágio preenchido para o mesmo email de origem do pedido para que sejam recolhidas as assinaturas.
  • Em nenhuma hipótese, a data de início do estágio poderá ser anterior à data de inclusão do estagiário no seguro contra acidentes pessoais. O período de duração de estágio não poderá ultrapassar 2 (dois) anos, salvo se o estagiário for portador de deficiência. Para a contagem do referido período de duração do estágio considera-se a relação entre o estagiário e a Funarbe independentemente do projeto no qual este teria sido contratado.
  • Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa ao aprendizado de competências próprias da atividade profissional e à contextualização curricular. É condição sine qua non para a caracterização do estágio a adequação das atividades exercidas à área de estudos do estagiário.
  • O estágio poderá ser obrigatório ou não-obrigatório. Estágio obrigatório é aquele definido como tal no projeto do curso, cuja carga horária é requisito para aprovação e obtenção de diploma. Estágio não-obrigatório é aquele desenvolvido como atividade opcional, acrescida à carga horária regular e obrigatória. As atividades de extensão, de monitorias e de iniciação científica na educação superior, desenvolvidas pelo estudante, somente poderão ser equiparadas ao estágio em caso de previsão no projeto pedagógico do curso.
  • Em se tratando de estágio na modalidade “obrigatório”, o estudante deverá enviar o comprovante de matrícula na disciplina denominada “estágio supervisionado”, anexado ao Termo de Compromisso de Estágio.
  • A jornada de estágio não poderá ultrapassar 6 (seis) horas diárias e 30 (trinta) horas semanais, no caso de estudantes do ensino superior, da educação profissional de nível médio e do ensino médio regular.
  • O coordenador do Convênio deverá assegurar o gozo do período de recesso (férias) estabelecido no Termo de Compromisso de Estágio dentro do período de realização do estágio.
  • A cada 6 (seis) meses, o estagiário deverá preparar um relatório de atividades, em 3 (três) vias, as quais serão assinadas pelo Supervisor e pelo Professor Orientador do Estágio e entregue à Instituição de Ensino e à Funarbe para arquivamento, sob pena de suspensão da bolsa-auxílio.
  • O estágio não poderá ser concedido quando houver relação de parentesco do estudante com o supervisor do estágio ou com o coordenador do convênio, assim entendidos: cônjuges, companheiros ou parentes em linha reta, colateral ou por afinidade, até terceiro grau. A previsão legal está na Súmula Vinculante nº 13/2008 e no art. 12, II, da Resolução nº 08/2012 do CONSU/UFV.

Arquivos para Downloads

O Programa Acelera é uma iniciativa para desenvolvimento dos estagiários para além de suas atuações diárias relacionadas a suas áreas acadêmicas. Por meio de um espirito colaborativo, nossos estagiários trocam conhecimento a respeito de diversas temáticas, possibilitando um aprendizado contínuo e coletivo. Além disso, por meio de projetos, conduzidos pelos próprios estagiários, eles atuam diretamente em ações que visão o crescimento e desenvolvimento estratégico da Fundação, em suas Três Unidades de Negócio. Acreditamos que o conhecimento é rico, potente, transformar e expande horizontes.

Quero Ser Estagiário Funarbe

No caso de estudantes que desejam se desenvolver em nosso Programa de Estágio em uma de nossas três Unidades de Negócio e Centro de Serviços Compartilhados, disponibilizamos anualmente o nosso Banco de Estágio, onde coletamos currículos de estudantes a partir do 3º período de mais de 15 cursos do Ensino Superior. Conforme novas oportunidades surgem, entramos em contato com esses estudantes para convidá-los a nossos Processos Seletivos.

Possuímos um e-mail exclusivo para recebimento de currículos: [email protected] Recomendamos que utilize o campo do Assunto para preenchimento do “Curso, Período e Nome”, a fim de facilitar a organização do Banco. 

Nós carregamos no peito o compromisso em contribuir com a sociedade, possibilitando a ela um desenvolvimento sustentável por meio de diversas ações já praticadas. E em parceria com a APOV – Associação Assistencial e Promocional da Pastoral da Oração de Viçosa, concretizamos o nosso Programa Aprender, Jovem Aprendiz Funarbe!

Ser um Jovem Aprendiz é aprimorar-se constantemente. São jovens e adolescentes que almejam desenvolvimento e crescimento profissional, dentro de uma área de atuação especifica, valorizam a educação e, principalmente, desejam realizar sonhos. É a descoberta de oportunidades e a possibilidade de inserção no mundo do trabalho.

A APOV é responsável pela capacitação destes jovens, por meio de Programas de Aprendizagem, de acordo com a Lei 10.097/00. No Programa Jovem Aprendiz APOV, os jovens desenvolvem habilidades que atendem as demandas do universo das empresas parceiras, como o caso da Fundação Arthur Bernardes. Hoje, nossos jovens atuam em nossa Unidade de Projetos e no Centro de Serviços Compartilhados, em áreas como Contabilidade, Financeiro, Infraestrutura, Tecnologia da Informação, Gestão de Recursos e Prestação de Contas.

A capacitação tem duração de até dois anos com a etapa teórica desenvolvida pela APOV, uma vez na semana, e a prática, na empresa, parceira quatro vezes na semana, o que permite a vivência do jovem no cotidiano do mundo do trabalho.

Mais informações no site da APOV.

A FUNARBE apoia as atividades de ensino, de pesquisa e de extensão da Universidade Federal de Viçosa. Este amparo se manifesta por meio de ações concretas, como a gestão de convênios e contratos, gestão do Laticínio e Supermercado Escola e o lançamento e a manutenção de programas de incentivo: Funarbic, Funarpeq, Funarpós, Funarbex e Funarben, além do apoio a eventos, congressos e seminários e outras atividades de extensão.

Conheça:

Em dezembro de 2012 a Funarbe lançou o Prêmio Funarbe de Reconhecimento em Pesquisa, com o objetivo de premiar pesquisadores que contribuem de forma expressiva para o desenvolvimento acadêmico-científico da Universidade Federal de Viçosa (UFV). O objetivo era destacar este pesquisador como referência profissional na comunidade acadêmica, ressaltando a sua importância e comprometimento na captação de recursos e produção científica de alto padrão na UFV.

Conheça os premiados nas edições anteriores:

2020 - Professor Sebastião de Campos Valadares Filho

Possui graduação em Zootecnia pela Universidade Federal de Viçosa (1977), mestrado em Zootecnia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1981) e doutorado em Zootecnia pela Universidade Federal de Viçosa (1984). Em 1998 concluiu estágio de pós-doutorado no USDFRC, Madison- USA.

Atualmente é professor titular da Universidade Federal de Viçosa e Bolsista 1A do CNPq. É Consultor ad hoc de vários periódicos internacionais e membro do conselho editorial da Livestock Science. Foi chefe do Departamento de Zootecnia no período de fevereiro de 1999 a fevereiro de 2003, e novamente de janeiro de 2009 a março de 2013.

Participou do Comitê Assessor do CNPq na área de Veterinária e Zootecnia no período de setembro de 2003 a agosto de 2006, sendo coordenador do CA em 2005-2006.Participou como membro da câmara de Zootecnia e Veterinária da FAPEMIG, de fevereiro de 2006 a fevereiro de 2010, sendo Coordenador da câmara CVZ no ano de 2009.

Foi coordenador do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia da UFV de março de 2003 a dezembro de 2008 e novamente a partir de 2020. Foi coordenador do INCT de Ciência Animal aprovado em 2008, com vigência até 2016, e novamente coordenador da segunda edição do INCT de Ciência Animal, com vigência de 2016-2022.

Recebeu o prêmio de Orientador da melhor tese de Zootecnia nos anos 1997, 1998 e 2000, concedido pela Sociedade Brasileira de Zootecnia. Em 2005 recebeu a Medalha de Ouro Peter Henry Holfs, concedido pela Universidade Federal de Viçosa. Em 2006 recebeu o prêmio Zootecnista do ano, concedido pela Sociedade Brasileira de Zootecnia. Em 2007 recebeu o Prêmio Scopus, concedido aos 15 pesquisadores de destaque Nacional na Produção Científica de diversas áreas do conhecimento, Editora Elsevier/ Capes. Em 2016 recebeu o prêmio Bunge, Nutrição e Alimentação Animal, na categoria Vida e Obra.

2018 - Professor Acelino Couto Alfenas

Engenheiro Florestal (1974) e mestre em Fitopatologia (1978) pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), possui Ph.D. em Patologia Florestal pela Universidade de Toronto, Canadá (1983). Atualmente, é professor titular do Departamento de Fitopatologia da UFV e, desde 1999, é Bolsista de Produtividade em Pesquisa, nível 1A, do CNPq, membro titular da Academia Brasileira de Ciências (ABC) e sócio fundador da Clonar Resistência a Doenças Florestais dos cursos de pós-graduação lato sensu a distância, AgroPos. Tem experiência na área de Etiologia, Epidemiologia, Controle de Doenças Florestais e Clonagem de Plantas, especialmente de espécies arbóreas. Ultimamente, dedica seus estudos sobre a Base Genética da Resistência das Interações Patógeno-Hospedeiro, Variabilidade Genética de Populações de Patógenos e seus respectivos hospedeiros, visando à minimização de riscos de perdas por doenças em plantações florestais e outras culturas como a da manga e do kiwi e o desenvolvimento de kits diagnósticos de patógenos florestais.

2016 - Professor Raul Narciso C. Guedes

Agrônomo e mestre em Entomologia pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), doutor em Entomologia pelaKansas State University (KSU;EUA ) e com estágios pós-doutorais na Inglaterra, EUA e Canadá. É bolsista 1 A do CNPq e professor titular da UFV. É Fellow da Royal Entomological Society (Inglaterra) e Distinguished Alumnus da KSU. Integra o Comitê Permanente da International Working Conferece on Stored Product Protection, a Câmara de Biologia Aplicada da Fonds Wetenschappelijk Onderzoek (FWO; Bélgica) e o Conselho Editorial dos periódicos PLoS ONE, Pest Management Science, Journal of Stored Products Research e Journal of Economic Entomology. Foi coordenador do Programa de Pós-Graduação em Entomologia, Diretor-Científico da Fundação Arthur Bernardes (Funarbe), membro da Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Bioquímica Agrícola e do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFV.

2014 - Professor Marcos Heil Costa

O professor possui graduação em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Viçosa, mestrado em Meteorologia Agrícola pela Universidade Federal de Viçosa e doutorado em Ciências Atmosféricas e Oceânicas pela Universidade de Wisconsin – Madison. Atualmente é professor associado da Universidade Federal de Viçosa. Foi professor visitante da Universidade de Wisconsin-Madison, e foi coordenador-geral de Mudanças Globais de Clima do Ministério de Ciência e Tecnologia. Foi editor associado do Earth Interactions e da Revista Brasileira de Meteorologia, e atualmente é membro do corpo editorial e editor associado da Agricultural and Forest Meteorology. Criou o doutorado em Meteorologia Agrícola na UFV, onde ministra as disciplinas Modelagem de Sistemas Ambientais, Hidroclimatologia e Mudanças Climáticas e Impactos na Agricultura. Orientou ou co-orientou 31 estudantes de mestrado e doutorado. Publicou 80 artigos científicos, tendo sido citado mais de 1800 vezes, com índice h = 21. Bolsista de produtividade em pesquisa 1B do CNPq. Tem experiência na área de Climatologia, estudando as interações atmosfera-biosfera-hidrosfera-agricultura, modelagem numérica, e mudanças climáticas globais.

2012 - Professora Elizabeth Pacheco Batista Fontes

Graduada em Engenharia e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal de Viçosa, possui mestrado em Bioquímica de Alimentos/ Ciência de Alimentos pela Universidade Federal de Viçosa e doutorado em Biologia Molecular pela North Carolina State University (EUA). Atualmente é professora titular da Universidade Federal de Viçosa e coordenadora do INCT em Interações Planta-Praga. A pesquisadora tem experiência na área de Bioquímica e Genética Molecular, com ênfase em Biologia Molecular de Plantas e Genômica Funcional, atuando principalmente nos seguintes temas: interações geminivírus-hospedeiro e mecanismos de resistência, sinalização celular, respostas a estresses típicos do retículo endoplasmático e a estresse hídrico.

Buscando estimular a difusão do conhecimento, apoiamos e patrocinamos eventos de caráter científico, tecnológico e cultural promovidos por órgãos vinculados à UFV. Apoiamos também publicações de revistas relacionadas às atividades da Universidade. As contribuições se estendem, ainda, a projetos de entidades filantrópicas de Viçosa.

Publicações, cursos, seminários, semanas acadêmicas, congressos, cursos de pós-graduação, entre outras atividades, em diversas áreas do conhecimento podem receber nosso apoio em suas atividades. Para isso, visamos contemplar aqueles cujas temáticas trabalhem questões como incentivo ao desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação, sustentabilidade ambiental, responsabilidade social, diversidade e inclusão, promoção da cidadania, incentivo à educação, benefícios para a comunidade acadêmica e para a sociedade, e consumo sustentável.

O Conecta Funarbe teve sua primeira edição em 2020, visando ser um espaço para promoção do desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação por meio do compartilhamento de experiências com especialistas no assunto. 

Confira como foi a nossa última edição:

0
participantes
0
palestrantes

Contamos com ambientes acadêmicas disponíveis para universidades públicas e privadas, na qual com estrutura única no país, alunos, professores e pesquisadores possuem acesso exclusivo a salas de aulas práticas com equipamentos de ponta que simulam ambientes de produção, salas de aulas teóricas alinhadas a sistemas de gestão acadêmica da Universidade Federal de Viçosa, ambientes para visitas técnicas e desenvolvimento científico, além de todo suporte oferecido por nossos colaboradores para aulas de gestão das melhores práticas de mercado nas mais diversas áreas de educação. Para ter acesso à nossas estruturas acesse os links abaixo e preencha sua solicitação.

Para melhor compreensão da capacidade e detalhes da estrutura e procedimentos, acesse nosso manual de normas acadêmicas: